Leitura do Tarô e a Sincronicidade

Tarot Jogar

Jogar Tarot

Consulta de tarô – Coincidência ou ciência?

Segundo Carl Jung, Sincronicidade são aquelas “coincidências” que não podem ser explicadas como meras casualidades. Muitas vezes pensamos em alguém e de repente toca o telefone e é a pessoa em que estávamos pensando, ou podemos encontra-la de surpresa na rua. Pois bem, a sincronicidade é o mecanismo que explica o funcionamento dos oráculos como o tarô e o baralho cigano.

Não existe casualidade no embaralhamento e disposição das cartas do tarô em um jogo. Sua disposição deverá refletir o momento presente e as perspectivas futuras na vida do consulente e das pessoas em sua volta, sendo por isso considerado um instrumento para o exercício do autoconhecimento e reflexão.

A partir das informações encontradas ao jogar o tarot, podemos reavaliar condutas, expectativas, criar novas estratégias e metas que permitam alcançar os objetivos traçados, enfim, a realidade de uma situação poderá ser alterada partindo-se da premissa que possuímos livre arbítrio e somos nós mesmos quem conduzimos nossos destinos.

Evidente porém, que podemos estar em meio a uma situação onde não seja possível mudar imediatamente a realidade dos fatos. Entretanto, o simples fato de termos esse discernimento já permite que mudemos nosso estado de espírito, equilibremos nosso emocional e aprendamos a cultivar a paciência para não agir de maneira precipitada com eventuais prejuízos.

Muitas vezes esperar é o melhor caminho apontado em uma consulta de tarot, mas não necessariamente uma espera em definitivo e sim, como meio de preparar dias melhores, com prudência e sabedoria.

Sim, porque essa é a principal função de uma consulta de tarot, nos ajudar a crescer em maturidade e entendimento sobre as diversas situações e possibilidades de nossas vidas. Desse modo, podemos realizar escolhas conscientes e tomar as rédeas dos nossos rumos e caminhos com a ajuda do tarot!

Simplesmente o Acaso não existe…

Não foi o Acaso que nos trouxe até aqui!!!